quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Nem tão queer assim

Dia desses eu conversava com um amigo sobre como havia sido o fim de semana. Conversa vai,conversa vem, ele me questiona o motivo de eu não ter muitos amigos gays, de não conviver tanto com eles na proporção em que convivo com meus amigos heteros. Parei e fui contar com quantos amigos eu passo mais do que uma hora. A lista não chegou a dez, quase nã0 chega a oito.
Fiquei matutando, matutando e percebi que a maioria dos amigos gays são virtuais. Fora twitter, msn, facebook eu praticamente não conheço quase ninguém. Acho que a explicação é que eu não costumo sair muito pra baladas gls, não sou muito fã de boate e confesso não ter muito saco pra tentar.

Boate com tribal e drag music me cansam de uma maneira absurda. Cansam porque não consigo ver ritmo, melodia ou coisa parecida nessas musicas. Me cansam também porque são sempre as mesmas caras com os mesmos carões.Prefiro sair com meus amigos pra um bar aonde eu possa ouvir uma musica um pouco mais harmônica ou ficar na casa de alguém jogando conversa fora. E em geral,se ouve do sertanejo à Belchior, o que deve me tornar a bicha mais brega entre os blogayros (prova disso é a expressão matutar,que costumo usar em conversas e resolvi colocar nesse texto. Quem hoje em dia fala isso?)

Acho que eu não sou um grande exemplo da cultura queer sul-mato-grossense, já que conheço e convivo com um grupo pequeno de gays e também não me identifico muito com os outros que estão fora desse grupo.Não sei se quando escrevo represento muito quem vive aqui ou que acontece por aqui, também não tenho vocação pra ser flyer de festa ou consultor de sauna. Tem outros blogs que escrevem - com muita propriedade - sobre o assunto. Também nao sou o *mais famoso na noite* pra sair escrevendo sobre aonde ir, com quem ir e o que ouvir. Não me identifico com o que vejo quando saio e por isso sigo sem sair e conhecer mais a noite glstuvxyz local.

Esse amigo - que é praticamente uma celebridade gay de Campo Grande - comentou que conviver demais com gay, acaba deixando agente afetado demais e que as bichas são, em geral, más demais para serem amigas. Se eu não fosse um cara com anos de terapia nas costas, ia jurar que essa linha de "não me misturo com gays" me torna menos homossexual e melhor que os outros, mas sei bem que não é assim. Não é porque não vou aos dois bares gays dessa cidade ou porque que não vou na noite gls da boate que deixo de fazer parte da tal cena queer de Campo Grande.

10 comentários:

RICARDO disse...

Oi, Nicholas! (belo nome, não?)
Eu adoraria conhecer Campo Grande, tem um fascinante livro, romance policial cheio de estilo do Marcal Aquino que se passa aí e me parece um lugar cheio de submundos - sim todo lugar tem submundo...- e de charme maléfico... risos.... eu tenho um grande fascínio pela marginália e submundo, dentro e fora da ficção. Então, dá vontade de ir para aí.
Não para ver essa "cena gay" que também me cansa e é igual em todo o lugar.
Mudando: eu, ao contrário de você, não tenho amigos, acho que só dois ou três. Mas a culpa é minha, não sou um ser "tratável", sou briguento demais e as pessoas fogem. Ainda mais hoje em dia, por que só gostam de caras certinhos e encaixados na forma...
Ah, se não estou enganado....perdoa, idade muito avançada..rsrs.. o livro do Marçal se chama "Eu Receberia as Piores Notícias dos seus Lindos Lábios"....
portanto, bonitão, pode me dar qualquer notícia ruim que....
Beijos,
Ricardo
aguieiras2002@yahoo.com.br
http://dividindoatubaina.wordpress.com/

K. disse...

Esse RH vai ficar em pé de guerra com alguém falando que não gosta de tribal, a música (única, porque são todas iguais) do "culto"!
rs

Singular na Normalidade disse...

O_O! Eu me achava o deslocado por conta de tudo isso. Quase que de forma idêntica sou como você!
E diga-se de passagem: nasci em Três Lagoas - MS.

S.A.M disse...

Até porque nem só de baladas e esses programas é que é feito o mundo gls.

"Me cansam também porque são sempre as mesmas caras com os mesmos carões." Essa frase eu escuto em arrobas aqui em Sampa. Não é um problema dai, acredite.

Tambem fujo de muito da massificação que a galera faz do meio GLS.

E enriquecedor.

E por que não curtir programinhas com nossos amigos hts? rs

Abração!

Alexandre Lucas disse...

Viva a tao odiada diferenca.

Antonio de Castro disse...

mas por que a gente tem que escolher nossos amigos pela orientação sexual. como se estar com gay fosse mais legal que estar com hetero. eu sempre penso que essas acontecem. de repente, a gente é mais próximo de fulano do que de beltrano. tentar manipular isso tb é preconceito.

Nícholas Vasconcelos disse...

É sempre bom perceber que não se é o primeiro e nem o ultimo a se sentir diferente do grupo. Não vivo preocupado em ter amigos gays ou não, porque isso tambem é preconceito. ;)

Pimenta disse...

Então, isso é que é viver normalmente.
Não temos mesmo que escolher amigos pela orientação sexual deles!
Isso só vale na hora de escolher parceiros de amar, né?
Então, tudo certo.
bjo

Alexandre Lucas disse...

K. Somos loucos, mas nao burros.

Alexandre Lucas disse...

as bichas são, em geral, más demais para serem amigas...