sexta-feira, 7 de julho de 2017

Ensinamento Pesadinho do Dia - Eterna Maysa

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Hoje é dia...

...de relembrar Leocádia.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Ensinamento Pesadinho do Dia

Tenho lembrado que, infelizmente, quando confrontamos honestamente uma pessoa, o mais provável é que tente desqualificar o interlocutor. Debates honestos e autocrítica são raros.

terça-feira, 9 de maio de 2017

Deus, lá no alto, pode tudo!

"TRF4 nega pedido de Lula para suspender processo sobre triplex", chegando a hora da onça beber água.

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Ensinamento Pesadinho do Dia

Deus, lá no alto, pode tudo!

sábado, 18 de março de 2017

Ensinamento Pesadinho do Dia

'For my ally is the Force. And a powerful ally it is. ' #yoda #master

sexta-feira, 17 de março de 2017

Do Mestre

"A amizade é um amor que nunca morre." Mário Quintana

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Nunca é demais relembrar Jeitosinha:

"Que somos, senão germes rastejantes num enorme teatro do absurdo?"

Estou com um amigo internado, por não se adaptar às normas de uma sociedade hipócrita. Tenho que ficar garimpando informações. Apenas vejo como estamos longe de ser civilizados.

Mas a minha mão é leve. Pesada é a de D'us. Quando Ele manda, até o diabo obedece.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

domingo, 15 de janeiro de 2017

Ensinamento Pesadinho do Dia

Tive uma professora de Neurologia que dizia: se quer algo feito, peça a uma pessoa ocupada. Assombra-me como gente desocupada não tem tempo.

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Zeca Baleiro

Sou filho da véia ô
E eu não pego nada
A véia têm força, ô
Na encruzilhada
Não bati mais meu carro
Tem sempre uma grana e mulher de montão
Tô sempre coberto dos pés à cabeça
Nego me encosta cai duro no chão
Com sete pitada da sua cachimba
Marafa e dendê
Um banho de arruda todinho cruzado
Na minha horta só tem que chover
Quem quizer que acredite
Ou então deixe de acreditar
A força que ela me deu
Só ela é quem pode tirar
Venço e não sou vencido
Aqui neste reino e em qualquer lugar
Os zóio de inveja de boi mandigueiro
A véia levou pro fundo do mar.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Ensinamento Pesadinho do Twitter

JACIARA ‏@MACUMBElRA
Bom dia pra quem tá rica. Para pobres damos boa sorte. Batuquemos.

sábado, 24 de dezembro de 2016

Mensagem de Natal

A melhor mensagem de Natal que já li e mando todos os anos é a do Frei Beto:


"Feliz Natal a quem não planta corvos nas janelas da alma, nem embebe o coração de cicuta e ousa sair pelas ruas a transpirar bom-humor.

Feliz Natal a quem cultiva ninhos de pássaros no beiral da utopia e coleciona no espírito as aquarelas do arco-íris. E a todos que trafegam pelas vias interiores e não temem as curvas abissais da oração.

Feliz Natal aos que reverenciam o silêncio como matéria-prima do amor e arrancam das cordas da dor melódicas esperanças. Também aos que se recostam em leitos de hortênsias e bordam, com os delicados fios dos sentimentos, alfombras de ternura.

Feliz Natal aos que trazem às costas aljavas repletas de relâmpagos, aspiram o perfume da rosa-dos-ventos e carregam no peito a saudade do futuro. Também aos que semeiam indignações, mergulham todas as manhãs nas fontes da verdade e, no labirinto da vida, identificam a porta que os sentidos não vêem e a razão não alcança.

Feliz Natal a todos que dançam embalados pelos próprios sonhos e nunca dizem sim às artimanhas do desejo. Aos que ignoram o alfabeto da vingança e jamais pisam na armadilha do desamor, pois sabem que o ódio destrói primeiro a quem odeia.

Feliz Natal a quem acorda, todas as manhãs, a criança adormecida em si e, moleque, sai pelas esquinas quebrando convenções que só obrigam a quem carece de convicções. E aos artífices da alegria que, no calor da dúvida, dão linha à manivela da fé.

Feliz Natal a quem recolhe cacos de mágoas pelas ruas a fim de atirá-los no lixo do olvido e guardam recatados os seus olhos no recanto da sobriedade. A quem resguarda-se em câmaras secretas para reaprender a gostar de si e, diante do espelho, descobre-se belo na face do próximo.

Feliz Natal a todos que pulam corda com a linha do horizonte e riem à sobeja dos que apregoam o fim da história. E aos que suprimem a letra erre do verbo armar e se recusam a ser reféns do pessimismo.

Feliz Natal aos que fazem do estrume adubo de seu canteiro de lírios. Também aos poetas sem poemas, aos músicos sem melodias, aos pintores sem cores e aos escritores sem palavras. E a todos que jamais encontraram a pessoa a quem declarar todo o amor que os fecunda em gravidez inefável.

Feliz Natal aos ébrios de transcendência e aos filhos da misericórdia que dormem acobertados pela compaixão. E a todos que contemplam ociosos o entardecer, observando como o Menino entra na boca da noite montado em seu monociclo solar.

Feliz Natal a quem não se deixa seduzir pelo perfume das alturas e nem escala os picos em que os abutres chocam ovos. E a todos que destelham os tetos da ambição e edificam suas casas em torno da cozinha.

Feliz Natal a quem, no leito de núpcias, promove uma despudorada liturgia eucarística, transubstanciando o corpo em copo inundado do vinho embriagador da perda de si no outro. E a quem corrige o equívoco do poeta e sabe que o amor não é eterno enquanto dura, mas dura enquanto é terno.

Feliz Natal aos que repartem Deus em fatias de pão e convocam os famélicos à mesa feita com as tábuas da justiça e coberta com a toalha bordada de cumplicidades.

Feliz Natal aos que secam lágrimas no consolo da fé e plantam no chão da vida as sementes do porvir. E aos que criam hipocampos em aquários de mistério e conhecem a geometria da quadratura do círculo.

Feliz Natal a quem se embebeda de chocolate na esbórnia pascal da lucidez crítica e não receia pronunciar palavras onde a mentira costura bocas e enjaula consciências. E a todos que, com o rosto lavado das maquiagens de Narciso, dobram os joelhos à dignidade dos carvoeiros.

Feliz Natal a todos que sabem voar sem exibir as asas e abrem caminhos com os próprios passos, inebriados pelos ecos de profundas nostalgias. E aos que decifram enigmas sem revelar inconfidências e, nus, abraçam epifanias sob cachoeiras de magnólias.

Feliz Natal aos que saboreiam alvíssaras nos bosques onde vicejam anjos barrocos e nadam suas gorduras deixando os cabelos brancos flutuarem sobre a saciedade de anos bem vividos. E a todos que dão ouvidos à sinfonia cósmica e, nos salões da Via Láctea, bailam com os astros ao ritmo de siderais incertezas.

Feliz Natal também aos infelizes, aos tíbios e aos pusilânimes, aos que deixam a vida escorrer pelo ralo da mesquinhez e, no calor de seus apegos, vêem seus dias evaporar como o orvalho aquecido pelo alvorecer do verão.

Queira Deus que renasçam com o Menino que se aconchega em corações desenhados na forma de presépios. "

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Ensinamento Pesadinho do Dia

Nietzsche escreveu no Assim falava Zaratrusta, "se te apetece esforçar, esforça te,se te apetece repousar, repousa, se te apetece fugir, fuja, se te apetece resistir, resista, mas saiba bem o que te apetece, e não recue ante nenhum pretexto, porque o universo se organizará para te dissuadir."

Obrigado, João Paulo!

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Verdades da Vida

Depende da fonte. O Diabo também entende de bíblia...

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Ensinamento Pesadinho do Dia

Não chores, meu filho; Não chores, que a vida É luta renhida: Viver é lutar. A vida é combate, Que os fracos abate, Que os fortes, os bravos Só pode exaltar.

Minha Querida Mamãe -José Ângelo Gaiarsa

Simples...

Figurinha repetida não completa álbum. Simples assim.

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Verdades da Vida

"Venha quando quiser, ligue, chame, escreva - tem espaço na casa e no coração, só não se perca de mim."
Caio Fernando de Abreu.

Ensinamento Pesadinho do Dia

Tornamo-nos odiados tanto fazendo o bem como fazendo o mal.
Maquiavel, O Príncipe

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Ensinamento Pesadinho do Dia

“You only get one life. It's actually your duty to live it as fully as possible.”
Jojo Moyes, Me Before You

Tchau, queridos...

Quem ler os posts anteriores deste blog, verá a torcida que se confirmou. #foradilmaeleveoPTjunto . Singelo Tchau!

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Ensinamento pesadinho de sempre

Os dois bonitos e os dois feios – Rachel de Queiroz

Nunca se sabe direito a razão de um amor. Contudo, a mais frequente é a beleza. Quero dizer, o costume é os feios amarem os belos e os belos se deixarem amar. Mas acontece que às vezes o bonito ama o bonito e o feio o feio, e tudo parece estar certo e segundo a vontade de Deus, mas é um engano. Pois o que se faz num caso é apurar a feiúra e no outro apurar a boniteza, o que não está certo, porque Deus Nosso Senhor não gosta de exageros; se Ele fez tanta variedade de homens e mulher neste mundo é justamente para haver mistura e dosagem e não se abusar demais em sentido nenhum. Por isso também é pecado apurar muito a raça, branco só querendo branco e gente de cor só querendo os da sua igualha - pois para que Deus os teria feito tão diferentes, se não fora para possibilitar as infinitas variedades das suas combinações?

O caso que vou contar é um exemplo: trata de dois feios e dois bonitos que se amavam cada um com o seu igual. E, se os dois bonitos se estimavam, os feios se amavam muito, quero dizer, o feio adorava a feia, como se ela é que fosse a linda. A feia, embalada com tanto amor, ficava numa ilusão de beleza e quase bela se sentia, porque na verdade a única coisa que nos torna bonitos aos nossos olhos é nos espelharmos nos olhos de quem nos ame.

Vocês já viram um vaqueiro encourado? É um traje extraordinariamente romântico e que, no corpo de um homem alto e delgado, faz milagres. É a espécie de réplica em couro de uma armadura de cavaleiro. Dos pés à cabeça protege quem a veste, desde as chinelas de rosto fechado, e as perneiras muito justas ao relevo das pernas e das coxas, o guarda-peito colado ao torso, o gibão amplo que mais acentua a esbelteza do homem e por fim o chapéu que é quase a cópia exata do elmo de Mambrino. Aliás, falei que só assenta roupa de couro em homem magro e disse uma redundância, porque nunca vi vaqueiro gordo. Seria mesmo que um toureiro gordo, o que é impossivel. Se o homem não for leve e enxuto de carnes, nunca poderá cortar caatinga atrás de boi, nem haverá cavalo daqui que o carregue.

Os dois heróis da minha história, tanto o feio como o bonito, eram vaqueiros do seu ofício. E as duas moças que eles amavam eram primas uma da outra - e apesar da diferença no grau de beleza, pareciam-se. Sendo que uma não digo que fosse a caricatura da outra, mas era, pelo menos, a sua edição mais grosseira. O resto de índia, os olhos amendoados, a cor de azeitona rosada da bonita, repetidos na feia, lhe davam uma cara fugidia de bugra; tudo que na primeira era graça arisca na segunda se tornava feiúra sonsa.

De repente, não se sabe como, houve uma alteração. O bonito, inexplicavelmente, mudou. Deixou de procurar a sua bonita. Deu para rondar a casa da outra, a princípio fingindo um recado, depois nem mais esse cuidado ele tinha. Sabe-se lá o que vira. No fundo, talvez obedecesse àquele abençoada tendência que leva os homens bonitos em procura das suas contrárias; benza-os Deus por isso, senão o que seria de nós, as feiosas? Ou talvez fosse porque a bonita, conhecendo que o era, não fizesse força por sustentar o amor de ninguém. Enquanto a pobre da feia - todos sabem como é - aquele costume de agrado e, com o uso da simpatia, descontar a ingratidão da natureza. E embora o seu feio fosse amante dedicado, quanto não invajaria a feia da beleza do outro, que a sua prima recebia como coisa tão natural, como o dia ser dia e a noite ser noite. Já a feia queria fazer o dia escuro e a noite clara - e o engraçado é que o conseguiu. Muito pode quem se esforça.

O feio logo sentiu a mudança e entendeu tudo. Passou a vigiar os dois. Se esta história fosse inventada poderia dizer que ele, se vendo traído, virou-se para a bonita e tudo se consertou. Mas na vida mesmo as pessoas não gostam de colaborar com a sorte. Fazem tudo para dificultar a solução dos problemas, que, às vezes, está na cara e elas não querem enxergar. Assim sendo, o feio ficou danado da vida, e nem se lembrou de procurar consolo junto da bonita desprezada; e esta, se sentindo de lado, interessou-se por um rapaz bodegueiro que não era bonito como o vaqueiro enganoso, mas tinha muito de seu e podia casar sem demora e sem condições.

Assim, ficaram em jogo só os três. O feio cada dia mais desesperado. A feia, essa andava nas nuvens, e toda vez que o "primo" (pois se tratavam de primos) lhe botava aqueles olhos verdes - eu falei que além de tudo ele ainda tinha os olhos verdes? - ela pensava que ia entrar de chão adentro, de tanta felicidade.

Mas o pior é que os dois vaqueiros ainda saíam todo o dia juntos para o campo, pois eram campeiros da mesma fazenda e se haviam habituados a trabalhar de parelha, como Cosme e Damião. Seria impossivel se separarem sem que um dos dois partisse para longe, e, é claro, nenhum deles pretendia deixar o lugar vago ao outro.

Assim estava a intriga armada, quando a feia, certa noite, ao conversar na janela com o seu bonito que lá viera furtivo, colheu um cravo desabrochado no craveiro plantado numa panela de barro e posto numa forquilha bem encostada à janela (era uma das partes dela, ter todos esses dengues de mulher bonita) e enquanto o moço cheirava o cravo, ela entrefechou os olhos e lhe disse baixinho:

- Você sabe que o outro já lhe jurou de morte?

(Vejo que esta história está ficando muito comprida - só deixando o resto para a semana que vem.)

Falei que o desprezado jurara de matar o traidor. Seria verdade? Quem sabe as coisas que é capaz de inventar uma mulher feia improvisada em bonita pelo amor de dois homens, querendo que o seu amor renda os juros mais altos de paixão?

O belo moço assustou. Gente bonita está habituada a receber da vida tudo a bem dizer de graça, sem luta nem inimizade, como seu direito natural, que os demais devem graciosamente reconhecer. As mulheres o queriam, os homens lhe abriam caminho. E não é só em coisas de amor: de pequenino, o menino bonito se habitua a encontrar facilidades, basta fazer um beiço de choro ou baixar um olho penoso, todo o mundo se comove, pede um beijo, dá o que ele quer. Já o feio chora sem graça, a gente acha que é manha, mais fácil dar-lhe uns cascudos do que lhe fazer o gosto. Assim é o mundo, e se está errado, quem o fez foi outro que não nos dá satisfações.

Pois o bonito assustou. Deu para olhar o outro de revés, ele que antes vivia tão confiado, como se achasse que a obrigação do coitado era lhe ceder a menina e ainda tirar o chapéu. Passou a ver mal em tudo. De manhã, ao montar a cavalo, examinava a cilha e os loros, os quatro cascos do animal. Ele, que só usava um canivete quando ia assinar criação, comprou ostensivamente uma faca, afiou-a na beira do açude, e só a tirava do cós para dormir. E quando saía a campo com o companheiro, em vez de irem os dois lado a lado, segundo o costume, marchava atrás, dez braças aquém do cavalo do outro.

O feio não falava nada. Fazia que não enxergava as novidades do colega. Como sempre andara armado, não careceu comprar faca para fazer par com a peixeira nova do rival. E, sendo do seu natural taciturno, continuou calado e fechado consigo.

E o outro - nós mulheres estamos habituadas a pensar que todo homem valente é bonito, mas a recíproca raramente é verdade, e nem todo bonito é valente. Este nosso era medroso. Era medroso mas amava, o que o punha numa situação penosa. Não amasse, ia embora, o mundo é grande, os caminhos correm para lá e para cá. Agora, porém, só lhe restava amar e ter medo. Ou defender-se. Mas como? O rival não fazia nada, ficava só naquela ameaça silenciosa; as juras de morte que fizera - se as fizera - de juras não tinham passado ainda. Meus Deus, e ele não era homem de briga, já não disse? Tinha a certeza de que se provocasse aquele alma fechada, morria.

Bem, as juras eram verdadeiras. O feio jurara de morte o bonito e não só de boca para fora, na presença da amada, mas nas noites de insônia, no escuro do quarto, sozinho no ódio do seu coração. Levava horas pensando em como o mataria - picado de faca, furado de tiro, moído de cacete. Só conseguia dormir quando já estava com o cadáver defronte dos olhos, bonito e branco, ah, bonito não, pois, quando o matava em sonhos, a primeira coisa que fazia era estragar aquela cara de calunga de loiça, pondo-a de tal modo feia que até os bichos da cova tivessem nojo dela. Mas como fazer? Não poderia começar a brigar, matá-lo, sem que nem mais. Hoje em dia justiça piorou muito, não há patrão que proteja cabra que faz uma morte, nem a fuga é fácil, com tanto telégrafo, avião, automóvel. E de que servia matar, tendo depois que penar na prisão? Assim, quem acabaria pagando o malfeito haveria de ser ele mesmo. O outro talvez fosse para o purgatório, morrendo sem confissão, mas era ele que ficava no inferno, na cadeia. Aí então teve a idéia de uma armadilha. Botar uma espingarda com um cordão no gatilho... quando ele fosse abrindo a porta. Não dava certo, todo o mundo descobriria o autor da espera. Atacá-lo no mato e contar que fora uma onça... Qual, cade onça que atacasse vaqueiro em pleno dia? E a chifrada de um touro? Dificil, porque teria que apresentar o touro, na hora e no lugar... Lembrou-se então de um caso acontecido muitos anos atrás, quase no pátio da fazenda. O velho Miranda corria atrás de uma novilha, a bicha se meteu por sob um galho baixo de mulungu, o cavalo acompanhou a novilha, e em cima do cavalo ia o vaqueiro: o pau o apanhou bem no meio da testa, lá nele, e quando o cavalo saiu da sombra do mulungu, o velho, já era morto... Poderia preparar uma amardilha semelhante? Como induzir o rival?... Levou quatro dias de pesquisa disfarçada para descobrir um pau a jeito. Afinal achou um cumaru à beira de uma vereda, onde o gado passava para ir beber na lagoa. O cumaru estirava horizontalmente um braço a dois metros do chão, cobrindo a vereda logo depois que ela dava uma curva. A qualquer hora passariam de novo os dois por ali. E como só um passava pela verede estreita, bastaria ele ficar atrás, apertar de repente o passo, meter o chicote no cavalo da frente; o outro, assustado com o disparo do cavalo, se descuidava do pau - e era um homem morto.

Mas não deu certo. Isto é, deu certo do começo ao fim - só faltou o fim do fim. Pois logo no dia seguinte se encaminharam pela vereda, perseguindo um novilhote. O bonito na frente, o feio atrás, como previsto. Quando chegaram à curva que virava em procura do cumaru, o de trás ergueu o relho, bateu uma tacada terrivel na garupa do cavalo da frente, que já era espantado do seu natural, e o animal desembestou. Mas o instinto do vaqueiro salvou-o no último instante. Sentiu um aviso, ergueu os olhos, viu o pau, deitou-se em cima da sela e deixou o cumaru para trás. Logo adiante acabava a caatinga e começava o aceiro da lagoa. O bonito sofreou afinal o cavalo. Podia ser medroso, mas não era burro, e uma raiva tão grande tomou conta dele, que até lhe destruiu o medo no coração. Sem dizer palavra, tirou a corda do laço debaixo da capa da sela, e ficou a girar na mão o relho torcido, como se quisesse laçar o novilho que também parara várias braças além, e ficara a enfrentá-los de longe. O companheiro espantou-se: será que aquele idiota esperava laçar o boi, a tal distância? Claro que não entendera como andara perto da morte... Mas o laço, riscando o ar, cortou-lhe o pensamento: em vez de se dirigir à cabeça do novilho, vinha na sua direção, cobriu-o, apertou-se em redor dele, prendeu-lhe os braços ao corpo e, se retesando num arranco, atirou-o de cavalo abaixo. Num instante o outro já estava por cima dele, com um riso de fera na cara bonita.

- Pensou que me matava, seu cachorro... Açoitou o cavalo de propósito, crente que eu rebentava a cabeça no pau... Um de nós dois tinha de morrer, não era? Pois é assim mesmo... um de nós dois vai morrer...

Enquanto falava, arquejando do esforço e da raiva, ia inquirindo na corda o homem aturdido da queda, fazendo dele um novelo de relho. Daí saiu para o mato, demorou-se um instante perdido entre as árvores e voltou com o que queria - um galho de imburana da grossura do braço de um homem. Duas vezes malhou com o pau na testa do inimigo. Esperou um pouco para ver se o matara. E como lhe pareceu que o homem ainda tinha um resto de sopro, novamente bateu, sempre no mesmo lugar.

E o bonito e a feia acabaram casando, pois o amor deles era sincero. Foram felizes. Ela nunca entendeu o que houvera, e remorso ele nunca teve, pois, como disse ao padre em confissão, matou para não morrer.

E a moral da história? A moral pode ser o velho ditado: faz o feio para o bonito comer. Ou então compõe-se um ditado novo: entre o feio e o bonito, agarre-se ao bonito. Deus traz os bonitos de baixo da Sua Mão.

domingo, 7 de agosto de 2016

Pokemon Go!

quinta-feira, 9 de junho de 2016

#tchauquerida


quinta-feira, 26 de maio de 2016

Ensinamento Pesadinho do Dia

O ruim de deixar as pessoas te conhecerem de verdade, é que elas sabem como te magoar.

terça-feira, 10 de maio de 2016

Tchau Querida!

Nós, aqui no RH estamos na contagem regressiva para o tchau da Dilma.

Como lembrou a Tábata daqui da repartição: "Quem com muitas pedras bole, uma acaba por lhe cair na cabeça".

domingo, 10 de janeiro de 2016

Ensinamento Pesadinho do Dia

Every now and then I know there is no one in the universe as magical and wondrous as you.

domingo, 15 de novembro de 2015

Homenagem ao Eterno Conselheiro Pavinatto

Nunca é demais lembrar!

DESEJO

Carlos Drumond de Andrade

Desejo a você,
fruto do mato,
cheiro de jardim,
namoro no portão,
domingo sem chuva,
segunda sem mau humor,
sábado com seu amor,
filme do Carlitos,
chope com amigos,
crônica de Rubem Braga,
viver sem inimigos,
filme antigo na TV,
ter uma pessoa especial,
e que ela goste de você,
musica de Tom com letra de Chico,
frango caipira em pensão do interior,
ouvir uma palavra amável,
ter uma surpresa agradável,
ver a banda passar,
noite de lua cheia,
rever uma velha amizade,
ter fé em Deus,
não ter que ouvir a palavra "não",
nem nunca, nem jamais adeus.
Rir como criança,
ouvir canto de passarinho,
sarar de resfriado,
escrever um poema de amor que nunca será rasgado,
formar um par ideal,
tomar banho de cachoeira,
pegar um bronzeado legal,
aprender uma nova canção,
esperar alguém na estação,
queijo com goiabada,
pôr-do-sol na roça,
uma festa,
um violão,
uma seresta,
recordar um amor antigo,
ter um ombro sempre amigo,
bater palmas de alegria,
uma tarde amena,
calçar um velho chinelo,
sentar numa velha poltrona,
ouvir a chuva no telhado,
vinho branco,
bolero de Ravel...
e muito carinho meu!

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Verdades da Vida

A felicidade em seu coração pode ser diminuída; mas estará sempre lá, enquanto você viver, para torná-lo feliz de novo. Anne Frank

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Ensinamento Pesadinho do Dia

"It may be hard for an egg to turn into a bird: it would be a jolly sight harder for it to learn to fly while remaining an egg. We are like eggs at present. And you cannot go on indefinitely being just an ordinary, decent egg. We must be hatched or go bad."
C. S. Lewis

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Ensinamento Pesadinho do Dia

"É muito fácil odiar e rir das pessoas. É preciso força para ser gentil e amável"(Morrissey)

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Ensinamento Pesadinho do Dia

"Se as coisas são inatingíveis... ora!

não é motivo para não querê-las...

Que tristes os caminhos, se não fora

A presença distante das estrelas!"

Mário Quintana

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Ensinamento Pesadinho do Dia

A moral pode ser o velho ditado: faz o feio para o bonito comer. Ou então compõe-se um ditado novo: entre o feio e o bonito, agarre-se ao bonito. Deus traz os bonitos de baixo da Sua Mão.

Os dois bonitos e os dois feios – Rachel de Queiroz

sábado, 1 de agosto de 2015

Ensinamento Pesadinho do Dia

“E todos os dias ficarei tão alegre que incomodarei os outros.”
  Clarice Lispector

Verdades da Vida

"Na vida todos temos um segredo inconfessável, um arrependimento irreversível, um sonho inalcançável e um amor inesquecível." - Diego Marchi.

quarta-feira, 22 de abril de 2015

O outro lado da maldição de Kassandra:

 "O prazer de lembrar tinha sido tirado de mim, porque não havia mais ninguém com quem compartilhar as lembranças." A Culpa é das Estrelas

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Maleficent's Best Frase

Melhor fala da Malévola: This curse will last till the end of time! No power on Earth can change it!

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Nunca é demais repetir

"The world breaks everyone and afterward many are strong in the broken places. But those that will not break it kills. It kills the very good and the very gentle and the very brave impartially. If you are none of these you can be sure it will kill you too but there will be no special hurry."
Ernest Hemingway

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Ensinamento Pesadinho do Dia

Tem gente que eu não mando pro inferno por pura consideração ao Diabo.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Fim dos Tempos

"A polícia não pode nem mais reprimir uma manifestaçãozinha que já aparece jornal do mundo inteiro reclamando."

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Doce de Mãe

No momento em que você abandona o sonho, você continua a viver, mas deixa de existir. Nunca pare de sonhar.

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

R.I.P. 2014

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Desejo de Natal

A Coréia do Norte bem que podia dar um motivo para os EUA bombardearem eles, né??? A China já tirou o seu da reta mesmo.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Fim de Mundo

Dólar, barril de petróleo ou ação da Petrobrás: o que chega a R$5,00 primeiro? Façam suas apostas.…

domingo, 14 de dezembro de 2014

Verdades da Vida

Achei a música do dia:
I Will Survive

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Ensinamento Pesadinho do Dia

"pronto, estou medicado, agora dá pra viver."

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Ensinamento Pesadinho do Dia

We must find time to stop and thank the people who make a difference in our lives.
John F. Kennedy

sábado, 29 de novembro de 2014

Ensinamento Pesadinho do Dia

"Sorte é a religião dos preguiçosos". Acabei de ouvir na Sessão da Tarde  

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Verdades da Vida

Sabesp anuncia aumento
de 6,5% na conta de água : devia ser de 500%. Queria ver se neguinho não economizava.