sábado, 19 de julho de 2008

Da Felicidade

(Inicio pedindo desculpas por um dos posts mais longos deste blog).


Como diria o saudoso personagem do rádio “Djalma Jorge”, estava eu, indo comprar cerejas chilenas para o meu ornitorrinco, quando deparei-me no blog do blogayro amigo Celso Dossi com uma citação de Drummond sobre a felicidade. Adoro Drummond, adoro citações, adoro amigos – em especial os blogueiros) e adoro falar de felicidade.


Desde que nossos ancestrais desceram das árvores (sim criacionistas, matem-se de inveja, pois temos os fósseis e vocês apenas a bíblia), nossas vidas são compostas de uma miríade de momentos e de sensações com seus diversos estados e interpretações emocionais por nós associados, de forma consciente ou não.


Mas desde os malfadados anos 90, o individualismo e a competitividade exagerados, aliados à “aglomerada solidão” das grandes cidades da qual já falava o genial Gonzaguinha, levou-nos a uma guinada cultural em que a felicidade deixou de ser uma dádiva de momentos de vida e uma obrigação de estado contínuo INATINGÍVEL e falso de excitação.


Deixo a dica na imagem: tenhamos felicidade a cada dia vendo o fogo arder, o pôr do sol, abraçando a um amigo, deitando-se no colo da mãe, do(a) namorado(a) ou mesmo falando com a irmã ao telefone. SEJAMOS FELIZES!

Abaixo algumas citações de pessoas que sabem, certamente, e pensaram muito mais do que eu:


"Os homens de profunda tristeza se denunciam quando estão felizes: têm uma maneira de agarrar a felicidade, como se a quisessem esmagar e sufocar, por ciúme - eles sabem muito bem como ela escapa!" - Friedrich Nietzsche, Além do Bem e do Mal

"Sonhe com aquilo que você quiser. Seja o que você quiser ser, porque você possui apenas uma vida e nela só se tem uma chance de fazer aquilo que se quer. Tenha felicidade bastante para fazê-la doce. Dificuldades para fazê-la forte. Tristeza para fazê-la humana e esperança para fazê-la feliz. As pessoas mais felizes não têm as melhores coisas. Elas sabem o que fazer das oportunidades que aparecem em seus caminhos..."
Clarice Lispector


"Não possuir algumas das coisas que desejamos é parte indispensável da felicidade."(Bertrand Russel)


É PROIBIDO
Pablo Neruda
É proibido chorar sem aprender,
Levantar-se um dia sem saber o que fazer
Ter medo de suas lembranças.

É proibido não rir dos problemas
Não lutar pelo que se quer,
Abandonar tudo por medo,
Não transformar sonhos em realidade.

É proibido não demonstrar amor
Fazer com que alguém pague por tuas dúvidas e mau-humor.

É proibido deixar os amigos
Não tentar compreender o que viveram juntos
Chamá-los somente quando necessita deles.

É proibido não ser você mesmo diante das pessoas,
Fingir que elas não te importam,
Ser gentil só para que se lembrem de você,
Esquecer aqueles que gostam de você.

É proibido não fazer as coisas por si mesmo,
Não crer em Deus e fazer seu destino,
Ter medo da vida e de seus compromissos,
Não viver cada dia como se fosse um último suspiro.

É proibido sentir saudades de alguém sem se alegrar,
Esquecer seus olhos, seu sorriso,
só porque seus caminhos se desencontraram,
Esquecer seu passado e apagá-lo com seu presente.

É proibido não tentar compreender as pessoas,
Pensar que as vidas deles valem mais que a sua,
Não saber que cada um tem seu caminho e sua sorte.

É proibido não criar sua história,
Deixar de dar graças a Deus por sua vida,
Não ter um momento para quem necessita de você,
Não compreender que o que a vida te dá, também te tira.

É proibido não buscar a felicidade,
Não viver sua vida com uma atitude positiva,
Não pensar que podemos ser melhores,
Não sentir que sem você este mundo não seria igual.

6 comentários:

GUI SILLVA disse...

“Ela acreditava em anjos, e porque acreditava eles existam”. CL

“Depois de algum tempo você aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longa distâncias, e o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida!!!!!!!!

William Shakespeare

Caso nunca tenha dito, aí vai: obrigado por fazer os nossos – ou ao menos, os meus – dias tão divertidos ao ler o RH. E fazer acreditar sempre. Em tudo que há de melhor!
Adoro-te!
Gueeee

Alberto Pereira Jr. disse...

só discordo qdo vc fala que esses sintomas são dos anos 90.. são de muito antes, pelo menos do meados do século passado.

ai.. ai Clarice é demais

Klero disse...

Kundera, em A Identidade

Vivendo nossa miséria, podemos ser feizes ou infelizes. É nesta escolha que consiste nossa liberdade. Somos livres para moldar nossa individualidade dentro do caldeirão da multidão com um sentimento de derrota ou de euforia. Nossa escolha, minha cara senhora, é a euforia"

(algo assim, traduzi rapidinho agora porque lembrei desse trecho ao ver o post!)

Alexandre Lucas disse...

Klero, ADORO Kundera, que inclusive já foi moda, né? Mas o considero muito pesado para um domingo à noite, hehehe ;)

Alberto, sem dúvida a situação foi construída ao longo do século, mas a materialização descarada veio nos 90. Os 80 tinham um ar de "tudo pode dar certo" e "o importante é competir" ;)

Guee,

Obrigado por alegrar a tantos dos meus dias.:)

Celso Dossi disse...

Felicidade é o colo da mãe.

" O PIMENTA ! " disse...

assino em baixo cada letra ! abração