sábado, 27 de março de 2010

Sob gritos e rojões, Nardoni e Anna Jatobá são condenados


Fonte (para assinantes da Folha ou do UOL).

Todos muito passionais. Faltou Cristian Pior e Sabrina Sato cobrindo:

O pai da menina Isabella foi condenado a 31 anos de prisão, e a madrasta, a 26 anos.

Juiz diz que sentença ficou acima do mínimo legal pela "frieza emocional" dos dois.

"Diante da frieza emocional e insensibilidade, os réus investiram de forma covarde contra a mesma [Isabella], o que choca o homem médio. O desequilíbrio emocional foi a mola propulsora do crime", disse o juiz.
O júri considerou o casal culpado pelo crime de homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, sem condições de defesa da vítima e de modo cruel). A pena de Nardoni foi maior do que a da mulher porque a legislação prevê um acréscimo de pena quando o crime é cometido contra descendente. Apesar disso, a lei não permite mais de 30 anos de prisão."

Pessoalmente, sou a favor da prisão perpétua. Mas a foto parece pobre tentando catar buquê em casamento, não?

3 comentários:

Daniel disse...

na verdade, a lei não permite encarceiramento por mais de 30 anos, mas na hora de fixar a pena, o juiz pode ultrapassar, porque esse valor vai ser importante para calcular a progressão de regime e os outros benefícios que eles podem ter direito.

Claro que se a pena passar de 120 anos, vai ser irrelevante, pois precisa de 1/5 para liberdade condicional.

Mas sério, passar 30 anos numa cadeia no Brasil pra que? sua vida já acabou.

Paulo disse...

A justiça brasileira sempre foi piada pra mim, um dos motivos de eu largar o curso de Direito no último ano. Já li no UOL que eles podem conseguir regime semi-aberto em 2018! Palhaçada, viu...

Alexandre Lucas disse...

Daniel, você sabe melhor que eu que ninguém, exceto despossuídos passam 30 anos. Com 1/6 da pena começam as progressões e palhaçadas.
Sou a favor da pisão perpétua para crimes contra a vida.