quarta-feira, 4 de março de 2009

Animal Farm



Hoje Mato Grosso do Sul teve mais uma amostra do quanto real é a maxima de George Orwell "alguns são mais iguais que os outros...". Ontem de manhã um jovem de 23 anos foi morto com um tiro na nuca quando chegava na academia que frequentava na região central da cidade. Seria mais um crime nessa região do Brasil.
Seria se o acusado pelos disparos não fosse um procurador de justiça e tio da vítima.Carlos Alberto Zeolla, de 44 anos, é acusado de disparar contra o sobrinho Cláudio Zeolla, 23. O motivo do crime? corre a boca pequena que o motivo seria passional. Isso mesmo, passional. Membro do Ministério Público Estadual (MPE) envolvido em um escândalo de sexo e incesto. Praticamente obra do Nelson Rodrigues. Não é da conta de ninguem como o homem toca a vida sexual dele, mas o que aconteceu depois...

O MPE está empenhado no caso. Empenhado em provar de todas as formas que o procurador não tem nada a ver com isso. Empenhado em afirmar que a culpa pelo caso não era do procurador. Empenhado em provar que uns são mesmo mais iguais que os outros.

Zeolla primeiro afirmou que um jovem de 17 anos, que estava com ele no carro, efetuou os disparos e estava dirigingo o veículo. Como alguem formado em direito deixa um menor andar armado e dirigir?! Depois mudou a versão do caso e disse que estava caminhando em na praça Belmar Fidalgo, que fica bem longe do local do crime...

Depois, pra não deixar a coisa feia, a cúpula do MPE baixou na delegacia e fez de um tudo pra provar que o colega não era culpado. Não deu certo. Hoje de manhã a Policia Civil indiciou o Procurador por assassinato, após o proprio ter cometido o crime. A versão do sexo, mentiras e video tape não foi confirmada. No lugar dela foi dito que tudo começou quando sobrinho agrediu o pai do procurador, o avô dele seu. Familiares disseram ainda que o Procurador toma remedios de uso controlado e que estaria no "limite". Continua cabeluda a história, não é?

Hoje o Ministério afirmou que não há provas de que Zeolla tenha assassinado o sobrinho, que ele é tratado como suspeito e que esta aos cuidados do orgão. O Procurador Geral disse com todas as palavras que " ele está numa cela especial, que está assim por sua condição e que merece tratamento diferenciado dos demais porque é procurador" . Agora é esperar pra ver se ele vai se tornar o Bola de Neve do pantanal.

5 comentários:

Arsênico disse...

Então guri... soube disso hj na facu... e da mesma forma que vc disse... será mesmo um caso passional?... bom... a verdade é que::: diz que o Procurador é solteiro... e mora com 3 sobrinhos... sim... eu disse 3... então... néah?...

umBeijo!

***

Daniel disse...

Realmente para investigar e processar uma autoridade há todo um procedimento diferenciado.

A idéia disso não é criar privilégio, mas evitar que uma autoridade faça jogo político com a outra.

Não sei como é com o MP do MS, mas se uma coisa dessas acontece no RJ e fica difícil tapar o sol com a peneira, o Procurador Geral manda o promotor/procurador pro paredão mesmo. O RJ tem até juiz cumprindo pena.

Alberto Pereira Jr. disse...

lendo esse caso lembro do promotor que executou um rapaz com mais de 10 tiros no litoral de SP.. só pq o menino tinha "mexido" com sua namorada..

Alexandre Lucas disse...

Arsênico: abafa...

Daniel: acredita, bunita. Rio de Janeiro com juiz cumprindo pena? Vamos ver...

Alberto: o cara de SP era meu colega de academia e acho complicado julgar sem todos os elementos.

claudio disse...

bixa!!! que história confusda.... a parte pac ional do babado a sra não contou....bafom.