quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Com o Verão se Aproximando

Com o verão se aproximando e as pessoas correndo às academias e muitos recorrendo aos esteróides anabolizantes, decidi escrever mais um artigo sobre o assunto. Este artigo é baseado quase que completamente no Manual Merck, um dos livros médicos mais antigos e respeitados do mundo. Aí vai:

Esteróides Anabolizantes

Usualmente são empregados para potencializar a performance física (dopping esportivo) e promover o crescimento muscular (fins estéticos).Quando usados de forma inapropriada (orientação de profissionais não médicos, mercadorias do mercado negro, concentrações adequadas para animais mas não para humanos, doses excessivas, etc...) por períodos exageradamente longos, podem causar alterações comportamentais (atitudes erráticas e irracionais) e uma ampla gama de efeitos adversos no organismo.

Os esteróides anabolizantes incluem a testosterona e seus variados sais, bem como qualquer droga sintética análoga à testosterona (química ou farmacologicamente) que promovem ganho de massa muscular. Há numerosas drogas disponíveis e são usadas na medicina clássica para tratar baixos níveis de testosterona. Alguns nomes comerciais: Decadurabolin, Deposteron, Durateston, Winstrol, Anavar, Hemogenin, etc... Além de provocar hipogonadismo (baixa função dos testículos) após usos prolongados, os esteróides anabolizantes são anticatabólicos e aumentam o aproveitamento das proteínas no organismo. Este último efeito é benéfico e por isso usado no tratamento de pacientes vítimas de grandes queimaduras, acamados, bem como para prevenir a perda muscular em doenças como a SIDA/AIDS ou câncer. Há contudo, pouca evidência científica para amparar estes tratamentos.

Esteróides anabolizantes são usados ilicitamente para aumentar a massa muscular magra e a força; treinos de resistência e dieta adequada podem facilitar/potencializar estes efeitos. Como estudos científicos controlados não foram realizados por razões éticas, acredita-se por observação empírica que ocorre melhora da performace e da resistência. COM CERTEZA ocorre ganho de massa muscular.

Estima-se que a incidência de abuso de esteróides anabolizantes na população varia de 0,5 a 5%, com variações importantes em subgrupos ( atletas profissionais e "bodybuilders"). Nos EUA, há constatação de abuso entre 6 a 11% dos homens secundaristas, incluindo um número inesperado de não atletas e 2,5% nas mulheres da mesma idade.

Patofisiologia

Esteróides anabolizantes possuem efeitos androgênicos (ex: queda de cabelo, alteração dos pelos corporais, aumento da libido e da agressividade) e efeitos anabólicos (ex:maior utilização da proteína da dieta, aumento na massa muscular magra). Os efeitos androgênicos NÃO PODEM ser separados dos anabólicos, mas algumas drogas modernas tem sido sintetizadas para minimizar os efeitos androgênicos (nunca se conseguiu a especificidade completa).

Há disponibilidade de substâncias de uso oral, transdérmico e intramuscular. Efeitos adversos crônicos variam significantemente com a droga usada e a dose administrada. Nas doses de reposição de deficiência de produção do organismo os efeitos colaterais são mínimos 10 to 50 mg/day de equivalente de testosterona). Atletas e fisiculturistas chegam a usar de 10 a 50 vezes a dose fisiológica, causando efeitos colaterais claros (veja tabela 4). As incertezas quanto aos efeitos colaterais são devidas ao fato que estudos sobre isso involvem pessoas que abusam mas não declaram as doses de forma confiável, bem como ao fato de as substâncias do mercado negro conterem misturas DESCONHECIDAS (apesar da rotulagem).

Os atletas podem fazer uso por um período e depois dar um período de descanso, o chamado CICLO. Alguns fazem vários ciclos num só ano. As paradas são tentativas de permitir o retorno da produção do próprio organismo e evitar a atrofia testicular. Contudo, observam-se baixos níveis de testosterona endógena, baixa contagem de esperma, e dificuldade do retorno à normalidade do eixo hipotálamo-pituitário-gonadal. As vantagens do sistema de ciclos são empíricas, sem evidência científica.

Atletas usam frequentemente várias drogas simultaneamente - prática chamada de sobreposição/"stacking" e rotas variadas de administração. O aumento da dose gradual durante o ciclo - piramidização - pode resultar em doses de 5 a CEM vezes a fisiológica. "Stacking" e piramidização tem por objetivo evitar a saturação dos receptores, a tolerância e minimizar os efeitos adversos de doses altas de uma única droga. É importante frizar que estes benefícios NÃO FORAM COMPROVADOS CIENTIFICAMENTE.

Tabela 4

Efeitos Adversos dos Anabolizantes

Mais evidentes:

Eritrocitose

Alteração dos lipídeos (diminuição do colesterol bom e aumento do ruim)

Anormalidades hepáticas: hepatite peliosa, adenomas

Alterações do Humor (altas doses)

Efeitos androgênicos: acne, calvície, virilização e hirsutismo em mulheres

Supressão gonadal (diminuição de espermatozóides, ATROFIA TESTICULAR)

Ginecomastia

Fechamento prematuro das epífises paralizando irreversívelmente o crescimento de adolescentes



Efeitos ocasionais:

Hipertensão

Hipertrofia e carcinoma da próstata

Carcinoma hepático


Efeitos pouco comprovados:

Aumento do risco de morte súbita em atletas

Alterações do humor em baixas doses

Hipertrofia ventricular esquerda.

Sinais e Sintomas

O sinal mais característico é o aumento rápido da massa muscular, incompatível com o ganho fisiológico para o exercício praticado. O ganho é diretamente dependente das doses utilizadas. Pacientes em reposição fisiológica podem nem apresentar aumento observável; aqueles em megadoses podem ganhar vários quilos em um mês. Aumentos da "energia" e da libido (em homens) ocorrem, mas são mais difíceis de identificar e mensurar.

Efeitos psicológicos ocorrem em doses bastante altas e são frequentemente notados por familiares e amigos:

  • Mudanças amplas e erráticas do humor
  • Comportamento irracional
  • Agressividade muito aumentada (“roid rage”)
  • Irritabilidade
  • Aumento da libido
  • DEPRESSÃO!

Aumento da acne é comum em ambos os sexos; ocorre aumento significativo da agressividade e do APETITE. Ginecomastia, atrofia testicular com diminuição importante do tamanho e infertilidade ocorre em homens. Virilização ocorre nas mulheres, bem como parada da menstruação. A virilização das mulheres e ginecomastia dos homens geralmente são irreversíveis.

Diagnóstico

Geralmente feito por pesquisa na urina. Os metabólitos podem em geral ser identificados na urina até 6 meses após o término do uso (até mais para formas de depósito).

Prevenção

Médicos que atendem adolescentes e adultos jovens devem estar alertas aos sinais de abuso de esteróides e explicar os riscos aos seus pacientes. Educação sobre abuso de esteróides deveria iniciar-se entre a 5a e 8a séries. Educação e orientação de métodos alternativos e fisiológicos de aumento de massa e performance por boa nutrição e técnicas de treinamento com pesos podem ajudar.

Tratamento

O principal tratamento é a cessação do uso. Embora não ocorra dependência física, dependência psicológica, particularmente em fisiculturistas competidores, pode ocorrer. Ginecomastia pode requerer redução cirúrgica.


CONCLUSÃO: o objetivo deste post é informar e não fazer discurso moralista. Cada um faz suas escolhas e corre os riscos que considera aceitáveis.

4 comentários:

Marcos Freitas disse...

E se for usar, lembre-se que não pode parar de malhar por um bom tempo, caso contrário o individuo pode ganhar peso, massa gorda.

Gui Sillva disse...

a história não muda, né?

mas...chega verão, chega!

Emiliano disse...

Bebi e falei.....

Pulei esse POST.

Hahahaha. Altas alterações de Humor...

Alberto Pereira Jr. disse...

olha, nem suplemento eu to usando dessa vez (começarei só em janeiro), mas to feliz com o resultado da minha malhação.. hehe to totosinho

:P