sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Mais um assunto chato: GONORRÉIA

Volto de tempos em tempos ao desconfortável assunto das DST's (doenças sexualmente transmissíveis). Hoje falarei da gonorréia, também chamada de blenorragia.Causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, é uma DST comum. Nos EUA, que possuem estatísticas mais confiáveis, só fica atrás da clamídia.

(esfregaço de pus uretral demonstrando as bactérias)


Além das regiões genitais, a gonorréia ataca o reto, a garganta/orofaringe e, menos comumente, os olhos. Nas mulheres ataca o cérvice uterino, pois o epitélio estratificado da vulva e vagina geralmente as protege da infecção.Além do contágio sexual, a gonorréia pode apresentar “transmissão vertical”, onde a mãe contamina o recém nascido durante o parto. Pelo risco de conjuntivite que pode levar à cegueira, faz-se profilaxia nos recém nascidos com gotas oftálmicas de eritromicina (um antibiótico), logo após o nascimento.

Os sintomas em geral apresentam-se 15 a 20 dias após a infecção, mas um pequeno grupo de pessoas podem ser portadores assintomáticos a vida toda.

Numa relação sexual com parceiro infectado, um homem pode ter 20% de chance de contrair a doença. Esse índice aumenta em relações anais receptivas, chegando a 50%.

Não é raro que homens infectados sejam assintomáticos, mas a maioria apresenta queixa de dor/ardor ao urinar, bem como uma típica descarga de pus pela uretra, espesso e contínuo. Esta é a apresentação mais frequente, de início observada por mancha na cueca. Ao exame médico pode-se observar um meato uretral avermelhado/irritado. Se não tratada, a infecção pode ascender pela via urinária e infectar o epidídimo, testículos e/ou a próstata, causando sintomas como dor escrotal ou inchaço. Em adultos a infecção ocular é geralmente acidental e unilateral, causando visão borrada. No reto causa dor e sangramento à evacuação ou relações sexuais.

O tratamento é à base de antibióticos e deve ser realizado em ambos os parceiros, mesmo que um deles seja assintomático. A gonorréia é facilmente previnível pelo uso de preservativos.

Apesar de ser facilmente tratada, é sempre um mau sinal, pois indica que o indivíduo tem se descuidado nas medidas de sexo seguro. Por isso o diagnóstico de gonorréia aumenta muito o risco de outras DST's, inclusive a SIDA/AIDS.


Obs: o assunto foi aqui abordado superficialmente, pois o intuito é alertar aos indivíduos leigos. Quem quiser se aprofundar no assunto, suas complicações e tratamentos pode consultar um livro médico mais técnico e completo, como o Manual Merck, disponível na internet (joga no Google).


2 comentários:

Tiago Pavinatto disse...

BOA SEXTA-FEIRA PRA SRA. TB. RS.

Gui Sillva disse...

na boa, acho esses posts muito interessantes!
uma forma de alerta.