quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

CPMF: ela pode voltar!!!!

Não teve jeito. O governo Lula teve uma de suas piores derrotas. Por 45 votos a 34 o Senado disse não e agora a CPMF - aquela mesmo que foi criada pra ser provisória e para ajudar a Saúde - não vai mais ser cobrada a partir de janeiro. Isso significa que o governo deixará de arrecadar até R$ 40 bilhões no ano que vem.
O que se pode tirar dessa história:
- A derrota foi mais política do que econômica. Sim, R$ 40 bi a menos nos cofres públicos. Mas quem disse que o governo está pobre. Nada disso: com arrecadações batendo recordes sucessivos nos últimos anos é possível dizer que os cofres estão bem cheios. Portanto, falar em ROMBO talvez não seja o correto. Mas PERDA , já que ainda há folga de recursos.
- Nem tudo está perdido - para o GOVERNO. Muita calma nessa hora. O fato é que a CPMF está morta - mas não devidamente enterrada. O governo pode tentar aprovar uma nova emenda à Constituição. Se isso ocorrer, a PERDA será de R$ 3,2 bilhões mensais.
- A folga é tão grande que, sim, o governo poderá manter no ano que vem o mesmo volume de gastos que teve até agora. E tem fôlego também para manter o ajuste fiscal.
- Falando em gastos, o governo gasta muito mais do que os anteriores. Com a desculpa de uma máquina pública desmantelada o que se fez nos últimos anos foi gastar como se nunca viu. Em todos os sentidos. E da-lhe criação de cargos e com isso uma enxurrada de... adivinhem... gastos. - O atual governo perdeu a oportunidade de desmontar um elefante branco e pesado. Só os gastos com pessoal somam R$ 130 bi. Mais uma vez: R$ 130 bilhões!!!!!!!! Vale lembrar que tracidionalmente os governos em segundo mandato se mostram mais "mão aberta". Portanto não devemos nos surpreender se mais... gastos (isso mesmo... gastos) vierem.
- O impacto sobre o investimento vai ser direto. O governo vai ter mesmo de cortar investimentos
- Ganha força nos bastidores de Brasília que já se cogita cortar a meta de superávit de 3,8% para 3,5%. É esperar para ver. Até pq cortar a meta é mais fácil que gastos menores.
Pro cidadão comum fica a sensação de alivío.
Licença poética aqui: "a alegria do mais fraco pode durar pouco". Em vez de uma reforma tributária o que pode vir por aí é a taxação do contribuinte. Batizada até com o nome antigo e uma cara muito parecida com a derrubada CPMF. Eu não me surpreenderia com isso.

6 comentários:

Alexandre Lucas disse...

Em tempo: eu levaria a análise do carlos em conta, pois ele é jornalista econômico, escrevendo de Nova Iorque... Com experiência profissional no assunto.

Julie disse...

uma melhor (e mais honesta) fiscalização do IR já não cobriria o "rombo"? pelo menos o principal argumento do Jatene tem sido esse, q a CPMF "não tem como sonegar". mas creio q tds nós nos sentimos palhaços pagando CPMF para q alguns (ou mtos) possam sonegar.

Calvin disse...

eu gostaria de saber pq houve essa derrota, quais eram os interesses politicos da oposiçao que foi contra?

ludo diniz disse...

Certeza que vão dar um bote por outro lado.
Mas pelo menos a oposição mostrou sua força sem ser irresponsável (aprovaram o DRU para contrabalancear as perdas com a CPMF).
O Mantega bem que poderia agora cortar gastos com pessoal, mas nunca o PT fará isso.
Agora é esperar para ver.

Clebs disse...

Ela pode voltar?? Igual assassino de filme de terror Trash???

Creio mais que ela será repartida...no maior estilo, tira-se aqui, coloca-se lá.

Abração!

Alexandre Lucas disse...

Sexta-Feira 13, parte 13...

Aguardemos em alerta...