sábado, 8 de agosto de 2009

UFANISMO

COMENTÁRIOS DE UMA HOLANDESA SOBRE O BRASIL:


Os brasileiros acham que o mundo todo presta,
menos o Brasil. E realmente parece que é um vício falar mal do Brasil.
Todo lugar tem seus pontos positivos e negativos, mas no exterior eles
maximizam os positivos, enquanto no Brasil se maximizam os negativos.
Aqui na Holanda, os resultados das eleições
demoram horrores porque não há nada automatizado. Só existe uma companhia
telefônica e (pasmem!) se você ligar reclamando do serviço, corre o
risco de ter seu telefone temporariamente desconectado.
Nos Estados Unidos e na Europa, ninguém tem o hábito de enrolar o sanduíche
em um guardanapo - ou de lavar as mãos antes de comer. Nas padarias, feiras
e açougues europeus, os atendentes recebem o dinheiro e com mesma mão suja
entregam o pão ou a carne.
Em Londres, existe um lugar famosíssimo que vende batatas fritas enroladas
em folhas de jornal - e tem fila na porta.
Na Europa, não-fumante é minoria. Se pedir mesa de não-fumante, o garçom ri
na sua cara, porque não existe. Fumam até em elevador.
Em Paris, os garçons são conhecidos por seu mau humor e grosseria e
qualquer garçom de botequim no Brasil podia ir para lá dar aulas de como
conquistar o cliente.
Você sabe como as grandes potências fazem para destruir um povo? Impõem
suas crenças e cultura. Se você parar para observar, em todo filme dos EUA
a bandeira nacional aparece e geralmente na hora em que estamos emotivos.
O Brasil tem uma língua que, apesar de não se parecer quase nada com a
língua portuguesa, é chamada de língua portuguesa, enquanto que as empresas
de software a chamam de português brasileiro, porque não conseguem se
comunicar com os seus usuários brasileiros através da língua Portuguesa.
Os brasileiros são vítimas de vários crimes contra sua pátria, crenças,
cultura, língua, etc...
Os brasileiros mais esclarecidos sabem que tem muitas razões para resgatar
as raízes culturais.


5 comentários:

Alexandre Lucas disse...

Só sei que nos EUA e Europa usam guardanapos, sim. O que vale é o contexto.

Daniel disse...

Também não entendi isso da língua "que não se parece nada com a portuguesa".
A língua aqui é português sim! Apenas temos diferentes sotaques.

E os mesmos programadores que criaram o "português brasileiro" também criaram o "inglês americano", já que de um lado do atlântico se fala trolley, kerb e cheque e do outro se fala truck, curb e check.

james p. disse...

Alexandre,por coincidência,acabei de ler a entrevista do cientista brasileiro Miguel Nicolelis(chefe do Centro de neurociências da Universidade Duke),em que ele diz que os únicos que tem essa visão "terceiro-mundista"típica do Brasil são as chamadas classes A e B.O povo está longe de partilhar essa opinião,assim como muitos estrangeiros.Fala-se só dos defeitos e não existe a outra face- a do progresso real de tantas áreas em nosso país.O que o texto fala é exagerado,claro.Mas acredito sim,somos diferentes e nossa cultura é muito forte e autêntica.POrque despreza-la?Excelente post.Abração.

Nanda disse...

O problema todo é que brasileiro muitas vezes tem dificuldade de assumir que é brasileiro!

Afonso Vaz Pinto disse...

"O Brasil tem uma língua que, apesar de não se parecer quase nada com a
língua portuguesa, é chamada de língua portuguesa,"

Quê? Podia traduzir? É que falo português de Portugal e não percebi esta parte. Tudo o resto percebi perfeitamente. Que mania esta de dizer constantemente que os brasileiro não entendem os portugueses e vice-versa. Também os americanos não percebem os ingleses e não é por isso que lhe chamam inglês dos estados unidos. Em bom português, porra! De qualquer forma o texto é bom e aplica-se a todo e qualquer povo. abraço. bom blog!