sábado, 27 de junho de 2009

Major Curió

Indignado ando com Lulla e seu governo. Primeiro por, como a Revista Veja, lembro-o e aos srs. Senadores da República que reza o artigo 5° da constituição federal em seu caput:

Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes...

Não existem pessoas com "passado" ou especiais que estejam acima da lei. Com isso ele certamente acha que após o término de seu governo estará também imune a sanções legais por crimes de responsabilidade, dentre outros.

O outro motivo são as sucessivas matérias do jornal O Estado de São Paulo, paralelamente a algumas da Folha de São Paulo, sobre um certo Major Curió, que virou nome de cidade, Curionópolis, município no Estado do Pará surgido de um casario de bordéis, responsável no passado por eleger a figura deputado federal, como ocorre com tantas outras pessoas "de bem" neste país.

O dito militar motivou uma série de reportagens exclusivas no Estadão por ter se disposto a entregar diários secretos e pessoais, que remontam aos "Anos de Chumbo", época em que chegou aos altos cargos do famigerado SNI, instrumento de espionagem e repressão da ditadura, transformado numa amansada mas ainda pouco controlada ABIN, após a redemocratização. Por que o Major teria decidido entregar os diários, que dão conta dos métodos de extermínio usados pelo exército, bem como os campos onde os corpos foram "escondidos". Certamente ele não é o único vivo que sabe e lembra de tudo isso, fato que macula o Exército Brasileiro, que tenta se esconder atrás de um niguém sabe, ninguém viu, e ao Governo Federal, com membros do alto escalão eles próprios ex-perseguidos, mas que fazem corpo mole e há 6 (SEIS!) anos descumprem ordem judicial transitada em julgado que determina que o Estado Brasileiro revele o paradeiro dos corpos e a lista dos mortos.

Mais uma vergonha a que Lulla e seu governo se expõe e que, certamente, não passará desapercebida ao julgamento da História no futuro. Porque o tempo é o senhor da razão. E um dia tudo vem à tona.

Faço minhas as palavras do grande Arnaldo Jabor:


Um comentário:

F.A.M disse...

Lixeira do 3º mundo???