domingo, 10 de maio de 2009

Caligrafia


Todos sabemos que o Brasil é um país hipócrita. Perdemos apenas para os puritanos norteamericanos. Peça para uns 5 membros de sua família de idades e profissões variadas que escrevam um texto de 5 linhas e veja quantos têm a letra minimamente legível. Hoje a Folha de São Paulo notocia que:



MÉDICOS LEVAM MULTA POR LETRA ILEGÍVEL
A Vigilância Sanitária de Londrina (Paraná) multou três médicos por prescrever medicamentos e tratamentos em receitas com letras ilegíveis. Cada médico foi autuado em R$ 2.000. Todos têm 15 dias para apresentar defesa, por escrito, à Vigilância Sanitária. O diretor do órgão na cidade, Rogério Lampe, diz que as autuações ocorreram após denúncias de farmacêuticos, pacientes e do serviço municipal de saúde. Os médicos, todos clínicos-gerais, não tiveram os nomes divulgados.


Sejamos um tantinho menos injustos. Quase nenhuma outra profissão que a de professor usa letra de mão em situações que possam implicar riscos graves por equívocos de interpretação. Advogados apenas usam textos datilografados ou impressos há décadas. Mas é mais barato multar os médicos, já que não são deuses de letra bonita, que aparelhar o sistema de saúde com computadores e impressoras. Estamos em 2009.


Minha letra, apesar de não ser bonita, é redonda e perfeitamente legível. Mas nem todos são iguais. Sou incapaz de desenhar algo que não pareça feito por uma criança de 6 anos. Imagine um homem impedido de cursar direito por não saber desenhar. Precisamos repensar a vida e deixar de camuflar os verdadeiros problemas arranjado bodes espiatórios.


Em tempo, não estou minimizando os riscos de uma receita mal aviada matar um indivíduo, apenas não acho que a solução acima vá funcionar.


9 comentários:

Alberto Pereira Jr. disse...

sei nao viu Ale.. multar pode não ser a melhor saída, mas algo deve ser feito

Alexandre Lucas disse...

Alberto, quero deixar claro que acho que deve haver uma solução. Tanto que admito os perigos. Mas se alguém me multar por não saber fazer uma caricatura bonita, de nada adiantará. Para mim a solução é informatizar.

Daniel disse...

Fico mais passado exatamente com essa informação de que existe previsão de multa contr ao médico que não tiver caligrafia boa no PR.

e quem é o juiz da caligrafia alheia? acho isso tão subjetivo. Basta ser denunciado? E o direito de defesa?

Alexandre Lucas disse...

Pagava para ver o juiz escrever a sentença a mão...

Arsênico disse...

Está Certo... mas pra uma pessouã que estudou tro100tos anos... saber escrever legívelmente... seria o mínimo...

E que letra é essa meopai?... Tive que forçar minha vistas... hahaha...

***

Daniel disse...

eu mesmo acho que já perdi completamente a boa escrita depois de tantos anos só no teclado.

Mike disse...

Querido, desculpa, mas dizer que o Brasil inteiro tem essa letra bizarra de médico é forçar, não?

Minha letra é liiiiinnnndddaaaa! Rsrsrsrsrsrs

Flávio Amaral disse...

A semana começa melhor quando a gente recebe um clarão de lucidez como está neste post.

Antes que os filisteus se animem, SIM, há riscos quando a leitura de uma prescrição não é clara. Mas vamos e convenhamos: mesmo antes de se discutir uma solução - digitar, por exemplo - já se multa alguém por que não se leu direito? Por que não voltar e esclarecer a dúvida com quem prescreveu?

Como pode alguém ser multado por uma possibilidade de problema e não por uma consequência concreta? Há três males que me vêm à cabeça de imediato - adiar o início de um tratamento por não se entender o texto, adquirir o medicamento errado ou usá-lo da forma incorreta. Mas não se pode punir uma "possibilidade".

Nos dois hospitais em que trabalho todo texto produzido por um médico deve ser digitado e impresso, não importa a finalidade. Até porque, planos de saúde e clientes pagarão procedimentos médicos cujo teor eles compreendam.

Não se aprende a escrever na faculdade e ninguém é capaz de citar cinco profissões que exponham documentos escritos de próprio punho.

Em tempo: sou médico, minha letra é ótima e desenho muito bem. :-)

Alexandre Lucas disse...

Flávio, obrigado pelo comentário pertinente.