sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Treinamento tem técnica definida?

Tem sim senhor...
a forma que voce quer atingir o resultado importa.
e talvez importe muito e o que me faz pensar isto é o fato de ter estudado junto com meu amigo e professor Fernando Marques as técnicas de treinamento em fisiculturismo.

De verdade o que precisa ser feito no fisiculturismo é encontrar o tênue equilíbrio entre o alcance da fadiga muscular, o tipo de fadiga alcançado e a programação da nova sessão de treinamento para que esta se encontre num ponto de supercompensação e dessa forma não caia no ineficiente ou extrapole para o overreaching ou ainda overtraining (formas de saturaçao e excesso de treinamento).

Dentre as "escolas de fisiculturismo" podemos citar as mais famosas, criadas por expoentes do esporte como Joe Weider e seu treino periodizado ou ainda Mike Mentzer e sua evolução do HIT training de Arthur Jones da academia Nautilus - o MM Heavy Duty (sou muito mais fã deste segundo...) ou ainda formas mais atuais como as de Rob Thoburn e seu método R.O.B. (SUPER humilde...rs rs... com fortes inspiraçoes no Heavy Duty, mas com adaptações para o tipo físico de ectomorfos), e por aí afora... O que pode estar ligado à forma que voce atinge a fadiga muscular e que eu coloco em pauta aqui é que talvez o método de treinamento ideal não exista. Talvez o método de treinamento ideal só seja ideal se for aplicado para o tipo físico, bioquímica e anatomia adequado à sua forma de estimular esta fadiga, por exemplo:

Dado um paciente com um tipo físico om facilidade de realizar treinos de força, qual o método mais adequado para atingir a fadiga muscular dele? Um treinamento de força que atingisse o máximo de sua aptidão mas que trabalharia sobre algo que ele já tem muito? Um treinamento que tivesse uma forte tendencia à resistencia anaeróbia, repleto de superséries - bi-sets, trisets, etc... que trabalhasse sobre uma aptidão que ele não dispõe? um treinamento misto? misto em que porcentagens de um para outro? seguiria os princípios de confusão muscular de Joe Weider? de fadiga rápida, máxima e sem tantas alteracão metabólicas gerais como proporia Mike Mentzer? nenhum dos dois?

Criei mais dúvidas do que resolvi, não?

Pois é, este foi o objetivo. Assim voces podem perceber que treinar e permanecer em treinamento não é algo tão fácil assim... é complexo e precisa ser prescrito com um propósito, com uma indicação em vez de ser uma coisa tratada como tentativa e erro por 99% dos esportistas que acham que sabem montar seu próprio treinamento. Depois passam 3 ou 4 anos treinando o velho tres-de-oito / quatro-de-dez e nao sabem porque entra ano e sai ano estao iguais ou piores do que quando começaram...

Dica boa: estude e procure orientação.
Saiba de antemão que se fosse fácil, todo mundo conseguiria quando quisesse, e todos sabemos que na verdade as coisas não são bem assim...

Não prometo, mas vou pedir para o Fernando comentar o post e dar mais detalhes rápidos que possam lhes ser úteis. Mas por enquanto: Hard Work!

sucesso e saúde!
Muzy

4 comentários:

Celso Dossi disse...

Uia.
Como faz?

Daniel disse...

hmmmm.... não dá pra ficar assim comendo Ruffles assistindo televisão?

Alberto Pereira Jr. disse...

muita areia pro meu caminhãozinho

:P

Marcos Freitas disse...

ah quem odeia e quem adora, eu adoro.