quarta-feira, 2 de julho de 2008

Roendo o Osso


(o pinguim mascote e símbolo dos sistemas Linux)
Sigo na saga de deixar de ser um brasileiro pirata, que usava programas do StandCenter que a louca da Kassab fechou (ainda pretendo votar nela, mas isso fica para outro post) e MIGRAR definitivamente para o Linux, distribuição UBUNTU 8.04.

Algumas explicações se fazem necessárias. Há hoje no mercado dois principais OS's (do inglês: sistema operacional): o Windows e o MAC OS. Cada um tem diversas versões e os usuários atualizam-se de acordo com diversos fatores, sendo o principal a exigência de requisitos mínimos de programas (software) e periféricos (hardware). Ambos são "proprietários", isto é, têm donos que cobram valores diferenciados, mas não desprezíveis, de cada usuário final. Assim foi que a Microsoft tornou-se uma das maiores e mais valiosas empresas do mundo. Não adianta comprar uma "máquina"/computador, é preciso equipá-la com um sistema operacional e programas diversos.

Indivíduos, empresas e instituições públicas começaram por volta de 1984(!) a questionarem os custos envolvidos nos softwares, inclusive os OS's. Nasceu a idéia do Linux, inicialmente baseada num grupo de trabalho destinado a criar um OS que fosse todo formado por programas de domínio público (gratuitos). Basearam-se em um antigo sistema proprietário, o UNIX, popular desde os anos 70. Demorou para pegar. As primeiras versões, como o UNIX, eram em modo texto, pouco amigáveis ao usuário doméstico, praticamente inacessíveis. Os usuários tinham se acostumado a sistemas mais amigáveis e intuitivos, com interfaces gráficas de menus e janelas, que permitiam uso de controladores como o mouse. Sou da época em que os computadores só tinham teclado... (Abafa).

Ocorreu uma guerra mortal por quem abocanhava a maior fatia desse mercado de OS's, principalmente entre os que tinham interfaces gráficas para os recém-desenvolvidos PC's(os computadores pessoais/domésticos), que se popularizaram. Rapidamente a Microsoft foi ganhando a guerra, pois produzia produtos muitas vezes inferiores, porem bem mais baratos que as "jóias" produzidas pela concorrente Apple. Aos poucos foi-se observando cópias de funcionalidades pela primeira e que a segunda não era exatamente superior. Posso dizer que já usei todo tipo de computador e de OS (já fui professor de programação). Os Macs eram em geral melhores por serem vendidos apenas em versões mais caras, como numa montadora que não vendesse modelos populares ou sem opcionais.

Só na década de 90 surgiram as primeiras versões amigavelmente gráficas do Linux, e aí o problema passou a ser a compatibilidade. Compatibilidade dá um suadouro danado para ser atingida. Tanto que os editores de texto das duas maiores companhias só passaram a reconhecer os arquivos um do outro em fim dos 90.

À guerra dos OS's seguiu-se a dos editores de texto, a dos navegadores de internet (www - world wide web), e estas seguem-se até hoje. A guerra, os custos desmesurados e a pirataria descontrolada nos países pobres (que ajudava a aumentar os custos per capita) impulsionaram a idéia do sistema livre e dos ditos softwares livres.

Como muitos usuários domésticos, há dois anos tento a transição gradual para o Linux. Testei diversas versões/distribuições, em sistema de "dual boot", no qual dois sistemas podem ser carregados em momentos diferentes na mesma máquina. Só nesta versão do UBUNTU senti confiança para abandonar o famigerado Windows e a Microsoft que tanto desaprovo por suas práticas comerciais passadas e presentes.

Não foi fácil. É como quando tivemos de abandonar as arcaicas porém familiares máquinas de escrever eletromecânicas (ex:Olivetti) pelos primeiros computadores e suas horrendas impressoras matriciais. É como mudar o círculo de amigos. Como mudar de cidade. Não é fácil. Contudo, aos poucos, o ser humano acostuma-se a tudo.

Na minha máquina, totalmente montada para Windows, consegui migrar totalmente para o Linux, exceto por algumas dificuldades ainda em operar a placa de captura de vídeo/TV. Facilitou o fato de que já usava programas gratuitos como o navegador Firefox, o editor de texto OpenOffice, o tocador de vídeo/mídias VLC, o editor de imagens Gimp, o Skype, etc. Estou me adaptando às versões em Linux de programas que realizam as tarefas de MSN, ITunes e outros. Mas com uma grande vantagem: a maioria deixa de ser pirata e passa a ter e operar um sistema totalmente legalizado, no Brasil e restante do mundo. A liberdade muitas vezes falta desapercebida em nosso cotidiano. Quanto mais pessoas aprenderem a "funcionar" em softwares livres, mais escolas, hospitais, repartições públicas mundo afora poderão deixar de repassar nosso rico dinheirinho dos impostos aos cofres das grandes companhias de software.

O mundo da informática está mudando... Informe-se, aprenda, não fique de fora.

(área de trabalho do Ubuntu 8.04)

5 comentários:

ludo disse...

abafa mesmo essa questão do teclado
eu troquei muitos joguinhos em disquetão flexível (maniac mansion, simcity) no meu PC tela verde

Leo Lazzini disse...

ow gatim, ta muito grande essa fonte!! hehe

Too-Tsie disse...

Eu sou super entusiasta do linux, testei vários ubuntus, curumins, etc.
Mas ainda não consigo ficar full time neles, sempre rola um dual boot.

Quando eu tiver um tempo livre, pretendo usar o ubuntu ou o yellowdog no playstation, diz que rola super bem.

BHY disse...

Já li alguma coisa a respeito do assunto, mas é a 1ª vez que me interessei em ler (até o final) e comecei até a cogitar a mudança para esse sistema. Existem alguns computadores que já são vendidos com esse sistema. Vou pensar mais no assunto. Por enquanto, tá bom continuar sendo Jack Sparrow...
;-)

Lex Grego disse...

Gosto muito mesmo do UBUNTU, instalou sem problemas, conseguiu "ver" todo o PC. Ótimo! Mais estou surpreso mesmo é com essa história de você professor de programação.