sábado, 24 de novembro de 2007

Explicação aos amigos

“Escolhi meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila. Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante. A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos. Fico com aqueles que fazem de mim um louco e santo. Deles não quero respostas, quero meu avesso. Quero-os santos, para que não duvidem dos diferentes e peçam perdão pelas injustiças. Escolho meus amigos pela cara lavada e pela alma exposta. Não quero só o ombro ou o colo, quero também sua maior alegria. Amigo que não ri junto não sabe sofrer junto. Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade. Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos. Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça. Não quero amigos adultos nem chatos. Quero-os metade infância e outra metade velhice. Crianças para que não esqueçam o valor do vento no rosto e velhos, para que nunca tenham pressa. Tenho amigos para saber quem eu sou, pois vendo-os loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que normalidade é uma ilusão estéril". Oscar Wilde

3 comentários:

-=|Ë¡ Jöãö!?|=- disse...

Esse post conseguiu reunir minhas questões sobre querer ter meus amigos por perto.
Muitos podem confundir com baixa auto-estima ou falta de amor próprio.
Taí uma explicação, que me deixa sem culpa quanto a isso.

Guilherme.Silva disse...

Adoro esse texto!

Alexandre Lucas disse...

O único jeito é gostar dos amigos como eles são. E escolhê-los bem.